Arquivo da tag: amores eternos

Amo você, menino

Padrão

Você se engana ao achar que preciso que você sinta amor para eu sentir também, se engana ao pensar que preciso saber que você me ama para estar ao seu lado ou que preciso ter a certeza que um dia estaremos juntos para viver meu amor.

A verdade é que amo você, menino, e não tenho mínimo interesse em saber o que sentes por mim. Não te espero e nunca pensei em te esperar. Sou inteira e feliz com esse amor, vivo ele do meu jeito e por incrível que te pareça é pleno, verdadeiro, sincero. Não me fazes falta pois o que tenho é um sentimento companheiro, carinhoso e cheio de ti. Carrego comigo você por completo, teus cheiros, teus olhares, toques, cuidados, sonhos, risadas e afetos.

Gozo com você todas às vezes que me arde a pele. Choro em seus braços todas às vezes que me falta peito para carregar sozinha. Divido com você sempre que me sinto fraca. Me jogo em seu colo, roubo sua mão, quando o mundo fica cinza. Compartilho todas as cenas, atos, fatos, pensamentos, que me interessam. Recebo todos os abraços quando a alegria me invade e só quero te doar um pouco dela. Sinto todos os beijos toda vez que minha boca lembra da sua. Vivo todos os silêncios que nos acomodam. Preencho todo o nosso espaço e te dou todos os sorrisos que você merece.

Por isso, menino que amo, é que para mim somos além de sermos juntos, somos além de estarmos lado a lado, somos apesar do que sentes, e principalmente, somos apesar do que não sentes.

Postado ao som de Tim Maia – Eu Amo Você

O dia que eu cheguei atrasada

Padrão

Lá estava eu no casamento daquele homem, lindo, com aquele olhar meigo e aquele sorriso que ilumina, que sempre transbordou amor ao me olhar. Ele me viu crescer, primos, crescemos entre encontros e desencontros. Da paixão da adolescência para o casamento parece que foi um pulo. Passamos anos afastados, a juventude desenfreada onde cada um andava com a sua turma, depois as faculdades e aí nos tornamos adultos e cada um seguiu o rumo da sua vida profissional, em cidades diferentes daquela que nos juntou ainda bebês. Às vezes encontros ao acaso no elevador do prédio de nosso pais, outras em festas da nossa querida família. A cada encontro a total falta de assunto, o desconforto de duas pessoas que viraram adultas e nunca conseguiram viver seus desejos e sentimentos um pelo outro. Encontros rápidos selados por abraços e saudades, muitas saudades.

Eu não lembrava o quanto ele era bonito, o quanto ele me encantava com aquele sorriso bobo. Eu não tinha observado que ele já era já homem feito até o seu casamento. Ver ele entrar naquele salão ao lado de sua mulher, fez meu coração saltar, estava errado aquilo, era para eu estar ali ao seu lado, era para nós termos ficados juntos, estava tudo errado naquela cena. E só naquele momento percebi o curso que minha vida fez, só ali eu enxerguei que me perdi dele, e me perdi porque quis.

Ao nos encontrarmos ele disse ao meu ouvido que me amava, aquele amor que eu reconhecia porque sentia, uma mistura de amor fraternal com o carnal que nunca soubemos lidar. Minha vontade era pegar em sua mão e sair dali, ter a coragem de dizer: “para tudo, é comigo que você tem que ficar, é ao meu lado que você tem que construir sua vida, é a nossa vida que você está nos tirando”. Insano da minha parte seria, e calada fiquei com peito esprimido, latajente, minguando aos poucos.

A festa foi noite a dentro e entre olhares cruzados e sorrisos de felicidades, fui me conformando que atrasada eu estava. Quando fui embora procurei ele em todos os cantos e o achei sozinho bebendo sua última dose antes de começar sua vida como marido. Ao me abraçar, ele me beijou na boca e disse mais uma vez que me amava. Olhei nos olhos e correspondi dizendo que eu o amava/amo muito também. Embora fui, com o corpo estremecido, desejando-o, de uma forma que eu nunca antes o tinha desejado.

Mas era tarde, tarde demais para nós dois.

Postado ao som de Federico Aubele – En Cada Lugar

E por falar em saudade

Padrão

Te esperei estapafúrdia esperançosa até o último minuto antes de voltar, jurava que me impedirias de ir, que aparecerias em seu cavalo branco com flores na mão e seríamos felizes para sempre. Esqueceste que sou só uma menina querendo receber e dar amor, e como toda menina acredito em príncipes encantados, em amores à primeira vista e infinitos, no romance quase puro, na bobeira da paixão, em sonhos vividos através dos sorrisos, nos olhares suplicantes de dois amantes, nas besteiras e intimidades da cama. Ao me fazeres pequenas promessas encheste meu coração de certezas, de momentos futuros e felicidade. Ao me confidenciar seus segredos me deixaste confortável para lhe entregar o meu pequeno tesouro, sempre tão bem guardado para meu amor. E agora foste embora, como pudeste ir? Por que não ficaste para ser meu príncipe? Deixaste-me sentindo tão pequenina e minguada, sozinha abandonada no meu castelinho. Puxa, não sei mais se te espero ou se espero o próximo cavalo branco passar. Então me faça o favor de mandar um sinal, adoraria receber uma carta de amor, porém, se não for condizente com que sentes pelo menos mande um recado para me recordar que devo te esquecer. Por favor, qualquer coisa, alguma coisa, e mais a chance de te dar adeus.

Postado ao som de Vinicius de Morais – Onde Anda Você?

“E entre tudo que ele poderia ser para mim, ele escolheu ser saudade” Caio Fernando Abreu

Acaso

Padrão

Tateando-a com os meus olhos a fui despindo lentamente enquanto ela caminhava em minha direção, era como se fosse a primeira vez que eu via aquela figura, que tanto me intrigava, na minha frente. Nossas olhares sempre nos desconcertaram, sentimentos contraditórios – ela se sentia desprotegida e eu segura por ela estar ali.

Há tempo esperava pacientemente o acaso nos unir, há muito ela tinha decidido que a vida seria mais fácil sem eu estar nela, eu a respeitei, a minha também seria. Desconcertada pela coincidência, como se elas existissem, ela me abraçou.

Em meio a sorrisos sem graças ela começa falar de sua vida, o que aconteceu nesses últimos anos, o que acontecerá nos próximos. Enquanto eu a escutava a falar nervosamente, meu corpo se entorpecia daquele calor que me era tão familiar.

Em segundos eu estou na cama com ela, matando aquele desejo que ficara guardado todo esse tempo, sentindo minha pele derreter na dela enquanto eu toco seu corpo e o sinto estremecer a cada digital impressa em sua pele e concavidades. Mato a vontade da minha boca sugando seus líquidos e suor, devorando suas partes mais íntimas, sentindo seu gosto que jamais saiu da minha língua. A beijo profundamente enquanto a penetro delicadamente, ela me beija delicadamente enquanto me penetra profundamente. Sinto suas mãos e língua percorrem todas as minhas costas e pararem no lugar do meu corpo que ela mais gosta, sem forças e ofegante me entrego aquela mulher que consegue despertar todos os meus poros e sentidos.

Sou despertada por um beijo de despedida, sem nem saber sobre o que conversávamos, aceito que ela está indo, tudo o que sentimos ainda é muito forte, ainda lateja. Ela dá pequenos passos e num gesto vira dizendo que sente muita saudade, eu também sinto, penso comigo. Sorrio e deixo ela ir com a certeza que o acaso irá nos dar mais uma chance.

Vendo ela se afastar sinto a angústia de ser tão humana, de ter essa consciência, essa triste consciência de quão estúpidos somos quando não nos deixamos nos levar pelo o que sentimos e desejamos.

Postado ao som de Bicho de Pé – Platonismo

Que seja amor

Padrão

Que seja amor e não o desprezo. Que seja amor e não a vingança tola. Que seja o amor e não a posse. Que seja o amor e não o interesse vil. Que seja o amor e não o ego ferido. Que seja o amor e não a ganância. Que seja o amor e não a raiva. Que seja o amor e não as feridas. Que seja o amor e não a traição. Que seja o amor e não a vaidade. Que seja o amor e não o rancor. Que seja o amor e não a pequena satisfação de ter. Que seja o amor e não o egoísmo. Que seja o amor e não as palavras vazias. Que seja o amor e não a frieza. Que seja o amor e não a vontade de machucar. Que seja o amor e não irresponsabilidade com o coração alheio. Que seja o amor e não a incapacidade de amar mais. Que seja o amor e não a mesquinharia. Que seja o amor e não a solidão. Que seja o amor e não o vazio. Que seja o amor e somente o amor que ainda te faz permanecer em minha vida.

Postado ao som de The Cure – Pictures Of You

Menino Leão

Padrão

Ele é metade homem, metade leão, lindo, peito aberto e ereto, sorriso inocente e olhos profundos. De sua metade leão herdou o amor incondicional pelos seus, o carinho empenhado, o afago terno, a delicadeza de um felino. De sua metade homem herdou a ira, o sangue que ferve quando algo ou alguém o tira do seu eixo, quando algo corrompe sua natureza, ou alguém pisa em seu rabo.

Menino leão, vive em um lugar mágico, cercado de água e verde. Ama se banhar em águas salgadas, sentir as ondas passarem pelo corpo e levarem com elas tudo de ruim que ele suporta. A música arrepia seus pêlos, desperta sua alma, e quanto ele está no seu cantinho, na beira da lagoa ele se transforma em maestro. Suas garras se transformam em mãos delicadas para tocar cordas e extrair o que há de melhor do seu instrumento. Em transe toca e canta por horas, sempre com um sorriso no rosto e com o coração iluminado.

Para desligar um pouco desse mundo cruel, fuma suas ervas, olha para as estrelas, brinca com outros animais, e embalado por toda essa energia se encontra, se sente rei novamente, leão, fera, ser, menino.

Eu o vi crescer, se tornar homem, se tornar cada vez mais leão. Vejo sua inocência e às vezes me preocupo, penso o que será dele quando o mundo o trazer para a realidade, com toda sua crueldade que nos dilacera, temo que ele irá esquecer que é leão forte e se ferirá. Tento protegê-lo, acaricio sua cabeça e conto minhas histórias, minhas dores e batalhas para que numa palavra ele absorva a minha triste humanidade e não precise passar por coisas que eu passei, numa tentativa tosca tento resguardá-lo.

Carinhosamente ele me chama de “girl”, compartilha sua erva e seu habitat natural, nossa lagoa, nosso céu, nossos mares. Me abraça, conta sua vida, pede conselho, me brinda com alguma música e me enche de amor. Nesses momentos, mais do que nunca, somos sangue.

Amo-o desde o dia que soube que ele iria nascer, ele é meu pequeno irmão, meu grande amigo, e um cara que admiro por ser simples, puro, de alma transparente.

Que você nunca se perca do seu caminho, que você nunca se perca de mim.

Postado ao som de Jorge Ben Jor (não poderia ser diferente!!) – Minha Menina / Que Maravilha / Zazueira

Feliz Aniversário meu irmão. Te amo. Salve 6/8!

Nós dois!

Para eu ser

Padrão

Preciso sentir que você ainda me ama para eu ser vida,

preciso sentir que você ainda pensa em mim para eu ser leve, preciso sentir que você ainda me deseja para eu ser bela, preciso sentir que você ainda está aqui para eu ser vitória, preciso sentir que você ainda me cuida para eu ser paz, preciso sentir que você ainda me olha para eu ser felicidade, preciso sentir que você ainda quer para eu ser futuro, preciso sentir que você ainda sente para eu ser desejo, preciso sentir que você ainda me escuta para eu ser música, preciso sentir que você ainda perde o fôlego para eu ser boca, preciso sentir que você ainda sonha para eu ser alegria, preciso sentir que você ainda caminha para eu ser tranquilidade, preciso sentir que você ainda luta para eu ser fome, preciso sentir que você ainda acredita para eu ser fortaleza, preciso sentir que você ainda chora para eu ser abraço, preciso sentir que você ainda canta para eu ser dança,

preciso sentir que você ainda é para eu ser amor.

Postado ao som de Isabella Taviani – Canção para Um Grande Amor