O facebook é autista!

Padrão

Nunca estivemos tão sozinhos, nunca sentimos tanto vazio e solidão. Num mundo onte estamos 24h conectados uns aos outros as relações humanas nunca foram tão rasas e descartáveis. O real ficou em segundo plano, mas é nesse plano que a vida acontece e isso muitas vezes me incomoda. Afinal, nós não somos o nosso personagem do facebook, ele pode até carregar nosso nome mas não nossa identidade.

Não somos tão belos como aquelas fotos (nem tão sorridentes), nossa vida não é tão bacana e interessante, não somos tão politizados assim, apesar de termos opinião para tudo nesse mundinho virtual, mas ter peito de defender nossa opnião ao vivo e cores, isso não temos. Conseguimos anunciar para os nossos 549 amigos que hoje acordamos tristes (em busca de conforto? atenção?) porém somos incapazes de pedir colo para nosso melhor amigo. Conseguimos curtir qualquer imbecilidade que as pessoas postam, mas esquecemos de dar um abraço a quem precisa, a quem merece ou só pelo prazer de abraçar. Conseguimos ser engraçados e descolados nas nossas frases do twitter, entretanto não sabemos mais rir das ironias da vida e nem sorrir com a mesma facilidade que sorrimos atrás da tela do computador, quando estamos sozinhos nesse outro mundo.

Criamos perfis em milhares de sites de relacionamentos destacando o que temos de melhor em busca de um grande amor ou amizades, mas não conseguimos dar um elogio ao ser que está na nossa frente (e ai daquele que me curtir, que perceber uma qualidade minha nessa vidinha real que respiro). Enquadramos essas pessoas num esquema onde a foto é o que vale mais, o resto é resto, e dúvido que a maior parte seja lido dentro desses perfis, e esquecemos que ao vivo, quando nos apaixomamos, nos apaixonamos justamente por pequenas coisas: um olhar que brilha, um sorriso que encanta, uma gargalhada que não sairá mais da sua cabeça, a discussão calorosa por causa daquele filme que vocês coincidentemente amam, a música que toca ambos por magia, a conversa boba que revela um deslize. Esquecemos que nos apaixonamos justamente por toda aquela imperfeição em forma de ser, seja pruma amizade ou um amor. Conseguimos digitar sobre nossos sentimentos (quantas declaraçoes de amor lemos todos os dias em nossas redes sociais, aos pais, amigos, amores, bichos de estimação, até a natureza!!), mas esquecemos de dizer de vez em quando o lindo e curativo “eu te amo” para eles ouvirem e não lerem, ou de reciclar.

Temos tempo para responder todos os e-mail que nos mandarem num dia, temos tempo para ver todas as atualizações de todos em todas as redes, temos horas e horas para navegar, mas não conseguimos ir almoçar com nosso amigos que não vemos a tempo, ir tomar o gostoso choppinho com aquele colega, a reunião com a família, a viagem de final de semana só para relaxar, e às vezes, o mais absurdo do mundo, não tempos nem tempo de ligar e dizer um oi! (isso num tempo de ligações a $ 0,25), de perguntar se tudo está bem ou de dar parabéns pelo aniversário (escutar a voz daquela pessoa dizendo um singelo parabéns, me toca mais do que ler tudo de lindo que ela tem para me dizer).

E os exemplos são intermináveis dessa virtualização de nossa vida real, dessa preferência pelo frio de uma tela de computador do que a pele que aquece, do que a palavra sentida no fundo do tímpano que ressoa em nossos cerébros com cores, sons e reais sentimentos. Penso que precisamos repensar sobre esse nosso distanciamento, não podemos achar normal essa solidão imposta. Solidão é opção saudável de estarmos quando queremos ser sós, e  não sentimento de vazio por estarmos cercados por milhões de pessoas e não termos ninguém para realmente compartilhar a vida.

Então, por favor, não me “diga” o quanto sou importante na sua vida para meus 957 amigos lerem, bata na minha porta, olhe no meu olho, fale com todas as letras, me abrace, e me faça sentir viva.

Postado ao som de Natalie Merchant – San Andreas Fault

 P.S.: “O facebook é autista” foi uma frase dita pro Fred, um amado amigo, num momento de revolta com o face, e peço licença para aqui usá-la como título. Fred me escreveu um e-mail lindo no meu aniversário, mas eu entendo, ele é “paulista”, ele nunca tem tempo :p.
Anúncios

»

  1. Amiga, você é mais que demais! Concordo com cada palavra que escreveu neste post! O ser humano está cada vez mais distante por conta deste mundo virtual! Beijos e Te Amo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s